4 projetos inovadores feitos por brasileiros

O ecossistema de inovação no Brasil tem se desenvolvido ao longo dos anos. Com incentivos em diversas frentes e caminhos para superar as desvantagens em relação a outros países, já temos muitos projetos inovadores.

Há profissionais espalhados pelo país inteiro e que estão comprometidos em garantir o melhor uso das ferramentas disponíveis. Como consequência, é possível encontrar soluções únicas para problemas cotidianos.

Quer conhecer algumas das melhores possibilidades? Veja 4 projetos inovadores do Brasil e o que eles oferecem!

1. Xtrafocus

A saúde é uma das maiores beneficiadas quando o assunto é inovação no Brasil. O projeto Xtrafocus reforça essa ideia, já que ajuda pacientes com dificuldades para enxergar, como os que têm ceratocone.

O dispositivo foi desenvolvido pelo oftalmologista Claudio Trindade. Apaixonado por fotografia, o médico criou um pequeno “filtro”, semelhante ao de uma câmera. Com a filtragem da luz, os desvios focais são corrigidos e o astigmatismo irregular é aliviado.

Há pacientes que passaram do uso de lentes especiais para o abandono completo dos óculos, graças a esse dispositivo único no mundo.

2. Guten News

A gamificação é uma tendência crescente no mundo e foi base para um dos projetos inovadores brasileiros. Criado por Danielle Brants, o Guten News tem uma função muito importante: traduzir o noticiário em atividades para a sala de aula. Por meio de jogos e outros recursos, é possível incorporar assuntos relevantes na vida das crianças.

Além disso, a ferramenta tem a missão de estimular o hábito da leitura, de expandir o vocabulário e de garantir uma formação cidadã. Dentro do contexto de novas necessidades quanto à forma de ensino, o recurso é cada vez mais utilizado em escolas de todo o Brasil.

3. Hand Talk

Os projetos inovadores também têm um foco social que é progressivamente relevante — e um dos melhores exemplos é o HandTalk. Desenvolvido por Ronaldo Tenório, o aplicativo conta com Hugo, um intérprete visual. A proposta é simples: fazer a tradução da linguagem de sinais.

O usuário pode digitar ou falar algo no smartphone e o intérprete traduzirá na linguagem de sinais. Principalmente, é uma maneira de facilitar a comunicação entre quem não fala perfeitamente a linguagem e deficientes auditivos.

Acima de tudo, é um projeto voltado para a inovação e integração das pessoas, com a eliminação das barreiras com a ajuda da tecnologia.

4. Urban 3D

A impressão 3D é uma das grandes inovações mundiais e que tem transformado os setores. Um projeto ambicioso e inédito é o Urban 3D, que foi criado em 2015, antes mesmo da popularização dessas impressoras.

Fundada por Anielle Guedes, a empresa deseja “imprimir” moradias populares para pessoas de todo o Brasil. Com menos custos e mais sustentabilidade, é possível resolver o déficit habitacional e proteger o planeta no processo.

Com a ajuda de robôs e muita automação de processos, o projeto prevê a impressão de elementos estruturais e até componentes de acabamento. Com a oportunidade de usar materiais variados, os custos são menores que na indústria tradicional.

Os projetos inovadores brasileiros aparecem em diversas áreas e com soluções variadas. Em comum, apresentam a capacidade de atender a demandas muito presentes em nossa sociedade de uma maneira única. Então, vale a pena acompanhar as novidades nesse sentido!

Conhece alguém que vai gostar dessas alternativas? Compartilhe o post nas suas redes sociais e marque os contatos!

O que pode e o que não pode ser trazido em uma viagem internacional

Quando a gente faz uma viagem para o exterior, ficamos muito tentados a trazer algumas coisinhas — para nós mesmos ou atendendo a pedidos de pessoas próximas. Porém, é preciso ter bastante atenção em relação ao que pode ser trazido e evitar o risco de ser barrado na alfândega brasileira.

Neste artigo, abordamos melhor este assunto, explicando como é esse trabalho e quais são as listas de itens liberados e proibidos. Quer saber quais são esses itens e evitar esse tipo de problema? Então, continue conosco e confira a seguir!

O que é a alfândega?

Trata-se de um departamento público que fica situado dentro dos aeroportos. O trabalho é feito pela Receita Federal e focado em fiscalizar e controlar tudo que entra e sai do país, além de fazer a cobrança dos tributos referentes aos produtos (quando é o caso). Os viajantes que chega no Brasil precisam passar por esse controle.

Quais itens podem ser trazidos do exterior?

Existem diversos itens que, por serem considerados de uso pessoal, não precisam ser declarados na hora que você for passar pela alfândega. Entre eles, estão:

  • roupas e calçados;
  • relógio (no máximo 3);
  • máquina fotográfica, desde que não seja filmadora;
  • celular;
  • perfumes;
  • cosméticos;
  • cigarros (limite de 10 maços);
  • bebidas alcoólicas (limite de 10 litros);
  • charutos (limite de 25 unidades);
  • fumo (limite de 250 gramas);
  • artigos de valor unitário que custem até US$10 (limite de 20 unidades, em um máximo de 10 idênticos);
  • artigos de valor unitário que custem mais de US$10 (limite de 20 unidades, em um máximo de 3 idênticos).

É preciso ter o bom senso na hora de avaliar quais quantidades são para uso pessoal. Caso haja fiscalização e o responsável por ela julgue que existe uma discrepância, você pode ser multado. Um bom exemplo disso seria uma pessoa que carrega muitas maquiagens repetidas — o que dá a entender que o objetivo é a revenda.

Alimentos que podem ser transportados na mala

A regra determina que o alimento deve estar em sua embalagem original, devidamente identificada e se limitar a 5kg. São eles:

  • carnes cozidas e salames;
  • concentrados ou extratos de carnes;
  • doce de leite, creme de leite, leite em pó, queijo e manteiga;
  • clara desidratada, ovo líquido e em pó;
  • pescados (defumados ou salgados);
  • itens de origem animal para fins de decoração.

Quais são barrados e precisam ser evitados?

Por outro lado, também existe uma série de produtos que sofrem a proibição e, portanto, não estão liberados para a entrada no Brasil. São eles:

  • animais silvestres que não estão acompanhados de licença e parecer técnico;
  • espécies aquáticas para fins de agricultura e ornamentação que não têm autorização do órgão competente;
  • réplica de armas de fogo;
  • cigarros e bebidas com fabricação brasileira, mas produzidos apenas para comercialização internacional;
  • mercadorias falsificadas;
  • substâncias tóxicas (como drogas);
  • agrotóxicos e itens relacionados;
  • itens compostos a partir de organismos que sofrera mudanças genéticas;
  • produtos que atentem contra a saúde, a ordem pública, os costumes e a moral.

Além disso, diversos países têm restrição severa quanto à entrada de produtos que não são industrializados. O objetivo é controlar possíveis doenças, pragas e até mesmo o tráfico de animais. São eles:

  • mel, cera e própolis;
  • leite e iogurte;
  • carnes in natura;
  • comida servida no avião;
  • comida para animais;
  • mudas, hortaliças, sementes, madeira e terra;
  • animais de companhia;
  • fungos, bactérias, moluscos e insetos;
  • embriões, sêmen, ovos, agrotóxicos e produtos de uso veterinário.

Produtos com restrição na alfândega

Ainda há outros itens que demandam a obtenção de autorização junto a outros órgãos (como a Anvisa e o IBAMA) antes da passagem pela alfândega. Caso contrário, eles correm o risco de serem retidos. São eles:

  • animais silvestres;
  • vegetais e animais;
  • produtos de origem vegetal ou animal;
  • produtos médicos e medicamentos;
  • produtos para diagnóstico in vitro.

Agora que você já sabe melhor como a alfândega funciona e quais são as restrições, pode se planejar melhor para saber o que pode (e em quais quantidades) e o que não pode trazer para o Brasil quando fizer uma viagem no exterior.

O que achou do artigo? Aproveite para divulgá-lo em suas redes sociais e levar esse conhecimento para a sua rede de contatos!

Como o Design Thinking auxilia na criatividade

O ser humano não vive sem criar e, para fazer isso, precisamos usar a criatividade e a inovação. Como é necessário inovar e usar a criatividade tanto na vida pessoal quanto na vida profissional, o Design Thinking é a abordagem mais usada na solução de problemas.

Um exemplo de Design Thinking na prática são os Cursos da Echos, que ajudam os leitores a solucionar problemas e a tomar decisões sobre qual produto comprar.

Você quer aprender como aplicar essa abordagem para ser mais criativo? Então vamos lá!

Conceito

Design Thinking é um modo de abordagem tomado do campo do design e adaptado para ser usado em qualquer área. É uma maneira de pensar que ajuda a buscar soluções inteligentes  para resolver diversos tipos de problemas.

Ele oferece às empresas vantagens como a o foco no problema do cliente, a criação de um ambiente favorável à inovação e a constante busca pela eficiência operacional.

O Design Thinking tem o objetivo de trabalhar com o processo criativo e designar soluções para problemas e desafios.

Como aplicar o Design Thinking para ser mais criativo

A abordagem oferece inovação, uma capacidade de mudar ou criar algo novo com o objetivo de melhorar a vida das pessoas.

A forma de pensar do Design Thinking segue quatro mudanças:

  1. Decidir tendo o ser humano como foco;
  2. Indagar as questões o tempo todo;
  3. Construir para pensar de forma crítica;
  4. A capacidade de questionar, mudar e de quebrar o modelo do que é conhecido e já foi feito.

Etapas do Design Thinking

  • Empatia

Essa etapa é essencial para obter uma visão geral do cliente. É a fase onde você conhecerá os desejos e as necessidades dele. Para isso, use a empatia para ver, ouvir e sentir. Coloque-se no lugar do cliente e veja o que, quando e como uma ação é possível em direção a uma solução.

  • Definição

Etapa em que os fatos coletados são interpretados, o problema do cliente é identificado e soluções inteligentes são encontrados para resolvê-lo.

  • Idealização

Etapa em que a criatividade é usada para encontrar várias soluções possíveis para o problema do cliente.

  • Protótipos

É o momento de transformar ideias em prática, testar possibilidades e gerenciar soluções. É apresentado como fase final do processo da abordagem, mas pode estar presente em todo o projeto.

  • Testes

Com os protótipos criados, é hora de apresentá-los ao cliente e receber feedback. Nessa etapa, aprende-se mais sobre o usuário, e as ideias e soluções são alinhadas.

Portanto, para alcançar sua meta e resolver os problemas, é importante saber como aplicar essa abordagem.

Já reparou como acontece com frequência de as ideias ficarem muito tempo sendo desenvolvidas e não serem testadas? E quando finalmente são testadas descobre-se um erro que acaba fazendo com que as ideias sejam deixadas de lado pelo fato de já estarem sendo desenvolvidas há bastante tempo.

Viu como é fácil colocar em prática o Design Thinking em sua vida pessoal e profissional? Compartilhe o conteúdo nas redes sociais e ajude outras pessoas a ficar por dentro do assunto!